Coração Infame

A maior solidão é aquela que se dá não pela ausência de pessoas, mas pela indiferença da presença delas.(David Saleeby)

Quero a insanidade de menino sobre o debruçar da saudade, que exprime vontade de desenhar com os dedos o medo que tomou-lhe por inteira. A inocência nos olhos da autora, que por si própria julga capaz, é admiravelmente belo em compasso ao infame coração.

Desabroche por si, e veja com os olhos arregalados o quanto perde ao encontrar o que diz lhe fazer tranquila!A solidão será capaz de confortar algo da criança que habita no inferior de sua feição. MORTE, MORTE eu disse MORTE! Aquele que sofre por ter pensado em formas agitadoras de convívio com proximidade consideravelmente arriscada a vida. Sentido pra que!? A vida já não lhe traz algum.

Há coração infame, abandone o mundo superável pela solidão incurável. Não me roube solidão sem o interesse de oferecer companhia. Fuja com seus pensamentos e próprios medos, enquanto atravesso a dor da solidão de encontrar finalmente a metade que me foi arrancada.
Essa dimensão desencadeada de desentendimentos com o tempo é injusta com um coração que abriga uma solidão quase incurável.

.

  1. gravatar

    # by Mr.Orange - 29 de março de 2010 22:03

    Adorei os textos de seu blog.
    Quando tiver tempo,entre e deixe um comentário:
    http://queletra.blogspot.com/
    http://fimdejogobaltazar.blogspot.com/
    Estou procurando novos seguidores e parceiros.
    Parabéns pelo ótimo trabalho.

  2. gravatar

    # by Pobre esponja - 31 de março de 2010 20:59

    Perdão por comentar a fota, mas ficou genial: uma mistura de narcismo (imagem) com submissão (de 4) , que ao mer sintentizam este tão controverso sentimento: o amor!

    abç
    Pobre esponja

Por favor, evite comentários como "Que Blog legal", "Gostei do Post", "Adorei o Blog", "Continue assim".Se estamos aqui é para escrever algo criativo por que somos capazes. Basta ter força de vontade e ler !
Comentário já uma forma de divulgação.
Comentários com links seram recusados no ato.
Abraços e uma ótima leitura.

Bruno Alves