Obrigado por existir...


O que anda acontecendo com todo mundo ?
O que mais eles vão querer ?
Será que outro pedaço de mim basta ou vão ter que continuar me rasgando a carne ,saboreando como um prato do qual se serve frio e seco ?
Pois é ,quando vemos algo do qual não podemos fazer nada e não conseguimos falar nada só nos resta ficar quietos se esconder de baixo do cobertor tentando se esquentar em quanto fumaças saem da nossa boca como se tivesse muito frio, tendo no entanto um calor de 39 graus fora do cobertor e da nossa cama aconchegante ...
Tentamos criar nosso próprio mundo e nele ser feliz ,só que infelizmente nem conto de fadas hoje em dia termina com um final feliz ,vivemos no nosso mundinho tentando se esconder dos perigos lá fora ,sendo que muitas das vezes eles nos acham e parecem não querer ir embora ,deixando marcas em nossas vidas das quais são difíceis de apagar e tendo amigos como você que me fazem a diferença da vida ,que me trazem de volta ao planeta terra e me tira do “mundinho do Bruno” ,fazendo com que eu caia na real e pense comigo mesmo... será que eu realmente vou sobreviver ?
Será que a vida tem sentindo se vivida ao seu lado ?
Não lute por mim ,eu não lhe valho a pena ,não sou uma pessoa da qual você pode considerar de bem ,não te peço muito ,te peço apenas que me considere um amigo do qual você jamais esquecera ,não pelos meus erros e sim e por atitudes...
Obrigado por você existir !

  1. gravatar

    # by Cáh - 19 de março de 2009 11:19

    Eu lutaria por vc sim...
    pois vc é alguem que valhe a pena..
    amigo dos melhores que eu tenho!


    beijos

  2. gravatar

    # by Bruno Alves - 19 de março de 2009 13:04

    Isso de muito de ajuda Cah

    Amo vc

    sempre !

Por favor, evite comentários como "Que Blog legal", "Gostei do Post", "Adorei o Blog", "Continue assim".Se estamos aqui é para escrever algo criativo por que somos capazes. Basta ter força de vontade e ler !
Comentário já uma forma de divulgação.
Comentários com links seram recusados no ato.
Abraços e uma ótima leitura.

Bruno Alves